Redes Sociais

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Destinos

22:07:00 0 Comments

A árvore generosa eleva-se à beira da estrada.
Os viandantes que passam famintos e exaustos buscam-lhe os frutos.
E, no desvario de suas necessidades, atiram-lhe pedras.
Espancam-na com varas.
Sacodem-lhe os galhos.
Quebram-lhe as grimpas.
Talam-lhe as folhas.
Sufocam-lhe as flores.
Esmagam-lhe os brotos tenros. Ferem-lhe o tronco. Mas, a árvore, sem queixa nem revolta, balouçando as frondes, doa, a todos que a maltratam, os frutos substanciosos e opimos de sua própria seiva.
Esse é o seu destino.

***

Também na estrada da existência onde você vive, transitam os viajores da evolução apresentando múltiplas exigências a lhe rogarem auxilio.
E, na loucura de seus caprichos, atiram-lhe pedras de ingratidão.
Espancam-lhe o nome com as varas da injúria. Sacodem-lhe o coração a golpes de violência. Quebram-lhe afeições preciosas, usando a calúnia.
Talam-lhe os serviços com a tesoura da incompreensão.
Sufocam-lhe os sonhos nos gases deletérios da crueldade.
Esmagam-lhe as esperanças com as pancadas da crítica.
Ferem-lhe os ideais com a lâmina da ironia. A todos, porém, sorrindo fraternalmente, aprenda com a árvore generosa a doar os frutos do próprio esforço, sem revolta e sem queixa.

***

Espírita, não estranhe se esse é o seu destino.
Quando esteve humanizado entre nós, com amor incomum, esse foi o destino de Jesus, Nosso Mestre. 

Do Livro Bem Aventurados os Simples
De  Waldo Vieira
Pelo Espirito de Valérium

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Gratidão

21:51:00 0 Comments






O homem, por detrás do balcão olhava a rua de forma distraída. Uma garotinha
se aproximou da loja e apertou o narizinho contra o vidro da vitrine.

Os olhos da cor do céu brilharam quando ela viu determinado objeto.
Entrou na loja e pediu para ver o colar de turquesas azuis.

É para minha irmã. Pode fazer um pacote bem bonito?
O dono da loja olhou desconfiado para a garotinha e lhe perguntou: Quanto dinheiro você tem?
Sem hesitar, ela tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho e foi desfazendo os nós. Colocou-o sobre o balcão e feliz, disse: Isto dá, não dá?

Eram apenas algumas moedas, que ela exibia orgulhosa.

Sabe, eu quero dar este colar azul para a minha irmã mais velha. Desde que morreu nossa mãe, ela cuida da gente e não tem tempo para ela. É seu aniversário e tenho certeza que ela ficará feliz com o colar que é da cor dos olhos dela.

O homem foi para o interior da loja, colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde.

Tome, leve com cuidado.

Ela saiu feliz, saltitando rua abaixo.

Ainda não acabara o dia quando uma linda jovem, de cabelos loiros e longos e maravilhosos olhos azuis, adentrou a loja.

Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho desfeito e perguntou: Este colar foi comprado aqui?

Sim, senhora.

E quanto custou?

Ah!, falou o homem, o preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o cliente.

A moça continuou: Mas minha irmã tinha somente algumas moedas. O colar é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagá-lo!

O homem tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho, colocou a fita e devolveu à jovem dizendo: Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar. Ela deu tudo o que tinha.

O silêncio encheu a pequena loja, e duas lágrimas rolaram pelas faces jovens, enquanto suas mãos tomavam o embrulho e ela retornava ao lar, emocionada.


* * *

Verdadeira doação é dar-se por inteiro, sem restrições. Gratidão de quem ama não coloca limites para os gestos de ternura.
E gratidão é sempre manifestação dos Espíritos que têm riqueza de emoções e altruísmo.
Sê sempre grato, mas não espere pelo reconhecimento de ninguém.
A gratidão é dever que não aquece apenas quem a recebe, mas também reconforta quem a oferece.


Redação do Momento Espírita com base no texto 
O colar de turquesas azuis, do livro Remotos cânticos de Belém, de Wallace Leal Rodrigues, ed. O Clarim.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 2, ed. FEP.
Em 13.7.2017.

Versão Moderna

00:39:00 0 Comments

E, respondendo ao companheiro que lhe havia solicitado a tradução do Sermão do Monte, em linguagem moderna, o velhinho amigo deteve-se no capítulo cinco do Apóstolo Mateus, e falou, com voz cheia e vibrante :

– Bem-aventurados os pobres de ambições escuras, de sonhos vãos, de projetos vazios e de ilusões desvairadas, que vivem construindo o bem com o pouco que possuem, ajudando em silêncio, sem a mania da glorificação pessoal, atentos à vontade do Senhor e distraídos das exigências da personalidade, porque viverão sem novos débitos, no rumo do Céu que lhes abrirá as portas de ouro, segundo os ditames sublimes da evolução.

Bem-aventurados os que sabem esperar e chorar, sem reclamação e sem gritaria, suportando a maledicência e o sarcasmo, sem ódio, compreendendo nos adversários e nas circunstâncias que os ferem abençoados aguilhões do socorro divino, a impeli-los para diante, na jornada redentora, porque realmente serão consolados.

Bem-aventurados os mansos, os delicados e os gentis que sabem viver sem provocar antipatias e descontentamentos, mantendo os pontos de vista que lhes são peculiares, conferindo, porém, ao próximo, o mesmo direito de pensar, opinar e experimentar de que se sentem detentores, porque, respeitando cada pessoa, cada coisa em seu lugar, tempo e condição, equilibram o corpo e a alma no seio da harmonia, herdando longa permanência e valiosas lições na Terra.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, aguardando o pronunciamento do Senhor, através dos acontecimentos inelutáveis da vida, sem querelas nos tribunais e sem papelórios perturbadores que somente aprofundam as chagas da aflição e aniquilam o tempo, trabalhando e aprendendo sempre com os ensinamentos vivos do mundo, porque, efetivamente, um dia serão fartos.

Bem-aventurados os misericordiosos, que se compadecem dos justos e dos injustos, dos ricos e dos pobres, dos bons e dos maus, entendendo que não existem criaturas sem problemas, sempre dispostos à obra de auxílio fraterno a todos, porque, no dia de visitarão da luta e da dificuldade, receberão o apoio e a colaboração de que necessitem.

Bem-aventurados os limpos de coração que projetam a claridade de seus intentos puros sobre todas as situações e sobre todas as coisas, porque encontrarão a "parte melhor" da vida, em todos os lugares, conseguindo penetrar a grandeza dos propósitos divinos.

Bem-aventurados os pacificadores que toleram sem mágoa os pequenos sacrifícios de cada dia, em favor da felicidade de todos, e que nunca atiram o incêndio da discórdia com a lenha da injúria ou da rebelião, porque serão considerados filhos obedientes de Deus. 

Bem-aventurados os que sofrem a perseguição ou a incompreensão, por amor à 
solidariedade, à ordem, ao progresso e à paz, reconhecendo, acima da epiderme sensível, os flagrados interesses da Humanidade, servindo sem cessar ao engrandecimento do espírito comum, porque, assim, se habilitam à transferência justa para as atividades do Plano Superior.

Bem-aventurados todos os que forem dilacerados e contundidos pela mentira e pela calúnia, por amor ao ministério santificante do Cristo, fustigados diariamente pela reação das trevas, mas agindo valorosos, com paciência, firmeza e bondade pela vitória do Senhor, porque se candidatam, desse modo, à coroa triunfante dos profetas celestiais e do próprio Mestre que não encontrou, entre os homens, senão a cruz pesada, antes da gloriosa ressurreição.

A essa altura, o iluminado pregador passeou o olhar percuciente e límpido pelo nosso grupo e, finda ligeira pausa, fixou nos lábios amplo e belo sorriso, rematando ,serenamente:

– Rejubilem-se, cada vez mais, quantos estiverem nessas condições, porque, hoje e amanhã, são bem-aventurados na Terra e nos Céus...

Em seguida, retomou o passo leve para a frente, deixando-nos na estranha, quietude e na indagação oculta de quem se dispõe a pensar.

Do Livro CARTAS E CRÔNICAS
( Ditadas pelo Espírito Irmão X) 
Psicografia Francisco Cândido Xavier

Lição das Trevas

00:07:00 0 Comments

No vale das trevas, delirava a legião de Espíritos infelizes.
Rixas, obscenidades, *doesto, baldões.
Planejavam-se assaltos, maquinavam-se crimes.
O Espírito Benfeitor penetrou a caverna, apaziguando e abençoando.
Aqui, abraçava um desventurado, apartando-o da malta, de modo a entregá-lo, mais tarde, a equipes socorristas; mais adiante, aliviava com suave magnetismo a cabeça atormentada de entidades em desvario.
O serviço assistencial seguia difícil, quando enfurecido mandante da crueldade, ao descobri-lo, se aquietou em súbita acalmia e, impondo respeitosa serenidade a chusma de loucos, declinou-lhe a nobre condição. 
Que os companheiros rebelados se acomodassem, deixando livre passagem àquele que reconhecia por missionário do bem.
- Conheces-me? - interrogou o recém-chegado, entra espantado e agradecido.
- Sim - disse o rude empreiteiro da sombra -, eu era um doente na Terra e curaste meu corpo que a moléstia desfigurava.
Lembro-me perfeitamente de teu cuidado ao lavar-me as feridas.
Os circunstantes entraram na conversação de improviso e um deles, de dura carranca, apontou o visitador e clamou para o amigo:

Que mais te fez este homem no mundo para que sejamos forçados à deferência?
Deu-me teto e agasalho.
Outro inquiriu:
Que mais?
Supriu minha casa de pão e roupa, libertando-nos, a mim e a família, da nudez e da fome.
Outro ainda perguntou com ironia:
Mais nada?  
Muitas vezes, dividia comigo o que trazia na bolsa, entregando-me abençoado dinheiro para que a penúria não me arrasasse.
Estabelecido o silêncio, o Espírito Benfeitor, encorajado pelo que ouvia, indagou com humildade:

Meu irmão, nada fiz senão cumprir o dever que a fraternidade me impunha; entretanto, se te mostras tão generoso para comigo, em tuas manifestações de reconhecimento e de amor que reconheço não merecer, porque te entregas, assim, à obsessão e à delinquência?! .

O interpelado pareceu sensibilizar-se, meneou tristemente a cabeça e explicou:
Em verdade, és bom e amparaste a minha vida, mas não me ensinaste a viver!

Espíritas, irmãos!
Cultivemos a divulgação da Doutrina Renovadora que nos esclarece e reúne!
Com o pão do corpo, estendamos a luz da alma que nos habilite a aprender e compreender, raciocinar e servir

Do Livro Cartas e Cronicas
Ditado pelo Irmão X
Psicografia Francisco Cândido Xavier

acusação desonrosa que se lança a outrem; descompostura, injúria, insulto.

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Salve Rainha Espirita

02:20:00 0 Comments

Salve Rainha, Anjo Celeste!
Mãe de Misericordiosa de todos nós!
Vida, doçura e esperança nossa, Salve!
A Vós bradamos!
Nós que somos os degredados filhos de Eva!
A Vós suspiramos, gemendo e chorando neste Vale de Lágrimas!
Volvei a nós, advogada nossa,
Esses Vossos olhos misericordiosos!
Fortalecei-nos nas suas bênçãos!
Ajude-nos a suportar esse desterro!
E depois, quando retornarmos ao Plano Espiritual,
Mostrai-nos a Jesus!
O bendito fruto do Vosso Ventre!
Ó Clemente!
Ó Piedosa!
Ó Doce Sempre Virgem Maria!
Rogai por nós Santa Mãe de Jesus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!
Que assim seja!

Credo Espirita

02:04:00 0 Comments

Creio em Deus, Essência Divina Onisciente, Onipotente e Onipresente, que em Si mesmo tudo emana, sustenta e destina;

Creio no Cristo Planetário, um filho de Deus como todos os demais, porém cristificado por evolução, vindo por isso a merecer a Diretoria Planetária Terrestre; 

Creio na concepção mediúnica de Maria; nos sinais e prodígios mediúnicos de Jesus; na Ressurreição Espiritual de Jesus; no Derrame de Espírito sobre toda a carne, tal e qual se acha exposto nos Atos, capítulos um, dois, sete, dez e dezenove; 

Creio, portanto, no Espírito Consolador ou Santo, também chamado de Verdade, que significa a Mensageiria Divina, a comunicação dos anjos, espíritos ou almas, cuja finalidade é advertir, ilustrar e consolar os encarnados; 

Creio na Excelsa Doutrina, vivida por Jesus, o Cristo Planetário, cujos fundamentos são a Moral, o Amor, a Revelação, a Sabedoria e a Virtude; 

Creio nas dez verdades básicas, que são a Essência Divina, a Existência, a Imortalidade, o Movimento, a Evolução, a Responsabilidade, a Reencarnação, a Revelação, a Habitação Cósmica e a Sagrada Finalidade; 

Creio que em Deus tudo é Eterno, Perfeito e Imutável, por isso mesmo que tudo rege por Lei e Justiça, nunca jamais havendo lugar em Deus para religiosismos, sectarismos, fantasias, simulações e idolatrias; 

Creio que os caminhos que conduzem ao Grau Crístico são o Amor e a Sabedoria, tal e qual Jesus ensinou em palavras e atos; 

Creio estar no Grau Crístico o Estado de Unidade, sendo portanto normal o dever de cada filho, atingi-lo o quanto antes; porque é da Vontade do Pai Divino, que Seus filhos venham a ser Espírito e Verdade; 

Creio e afirmo, portanto, que ser cristão é ser imitador de Jesus Cristo, em Moral, Amor, Revelação, Sabedoria e Virtude, sendo o mais tudo religiosismos e fantasias inventadas por homens clericalistas e corruptores da Excelsa Doutrina; 

Creio nos Dez Mandamentos da Lei de Deus, que vieram pela Revelação, tendo encontrado em Jesus Cristo o Perfeito Exemplificador; que em Jesus Cristo também encontrou o Generalizador da Revelação, para livrar a Humanidade da orfandade em que a meteram todos os religiosismos criminosos de todos os tempos; 

Creio na Lei e nos Atos de Jesus Cristo, prometendo ao Pai Divino que os tomarei por Divina Modelagem e como Perfeita Religião.

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Oração para Iniciar o Ano

13:20:00 0 Comments
Senhor, neste ano que se inicia....

Não te pedimos a isenção das provas necessárias, mas apelamos para sua misericórdia, a fim de que as nossas forças consigam superá-las. 

Não te rogamos a supressão dos problemas que nos afligem a estrada; no entanto, esperamos o apoio do teu amor, para que lhes confiramos a devida solução com base em nosso próprio esforço.

Não te solicitamos o afastamento dos adversários que nos entravam os passos e obscurecem o caminho; todavia, contamos com o teu amparo de modo que aprendamos a acatá-los, aproveitando-lhes o concurso.

Não te imploramos imunidades contra as desilusões que porventura nos firam, mas exortamos o teu auxílio a fim de que lhes aceitemos sem rebeldia a função edificante e libertadora,

Não te suplicamos para que se nos livre o coração de penas e lágrimas; contudo, rogamos à tua benevolência para que venhamos a sobre estar-lhes o amargor, assimilando-lhes as lições!!..

Senhor, que saibamos agradecer a tua proteção e a tua bondade nas horas de alegria e de triunfo; entretanto, que nos dias de aflição e de fracasso, possamos sentir conosco a luz de tua vigilância e de tua benção!..


Emmanuel
Psicografia: Francisco Cândido Xavier

Do Livro Coragem

Follow Us @soratemplates